Grupo educacional entra para construção civil e planeja investir R$800mi em moradia estudantil

Grupo educacional entra para construção civil e planeja investir R$800mi em moradia estudantil

Grupo educacional entra para construção civil e planeja investir R$800mi em moradia estudantil

Grupo educacional entra para construção civil e planeja investir R$800mi em moradia estudantil

Anima entra no setor de moradia estudantil e planeja investir R$ 800 milhões.

Grupo educacional fechou acordo com a gestora de recursos imobiliários VBI Real Estate que prevê a construção de até 15 prédios de residências até 2028.

A gestora de recursos imobiliários VBI Real Estate e o grupo Ânima Educação acertaram nesta semana o maior acordo já registrado no jovem mercado brasileiro de moradias estudantis. A parceria prevê que a VBI vai construir até 15 prédios de residências, com 5 mil camas nos próximos sete anos, com um investimento que poderá totalizar R$ 800 milhões.

Juntas, as empresas selecionaram uma lista de quatro cidades – não reveladas por enquanto – que receberão os primeiros empreendimentos. Em média, cada imóvel terá cerca de 250 quartos. O aluguel é cobrado por cama e vai de R$ 1,5 mil (cômodo coletivo) a R$ 3 mil (individual).

Os desembolsos nos projetos serão feitos pela VBI e colocados em prática pela Uliving, empresa de moradias estudantis fundada em 2012 pelos empreendedores Celso Martineli e Juliano Antunes. A startup tem como sócias a própria VBI, além da britânica Grosvenor Group. Uma unidade já pronta da Uliving em Santos (SP) também será incluída no pacote.

Caberá à Ânima garantir a demanda, encaminhando seus estudantes para esses imóveis. A companhia pode, inclusive, bancar o aluguel das unidades caso não apresente os inquilinos esperados. O grupo é dono da São Judas, do Centro Universitário Una e do UniBH, entre outros, reunindo 330 mil estudantes – escala de que o negócio precisa.

Negociação inédita na construção civil brasileira

É a primeira vez no Brasil que um grupo educacional fecha parceria dessa magnitude para oferecer moradias a universitários – algo bastante comum nos EUA e na Europa. Segundo o Ministério da Educação, o Brasil tem cerca de 8,5 milhões de universitários. Estima-se que um quinto tenha saído da casa da família para estudar – é justamente esse o mercado em que as empresas estão de olho.

“Essa aliança é totalmente inédita e exclusiva no Brasil”, destacou o CEO da Ânima, Marcelo Bueno. Segundo ele, a inovação atenderá um público cada vez maior de alunos da companhia, especialmente nos cursos de Medicina e Saúde, além dos jovens que mudaram de cidade.

A Uliving é pioneira no ramo e tem cinco edifícios em operação, com 2,3 mil leitos. Se a parceria com a Ânima for cumprida na íntegra, a Uliving vai triplicar o seu portfólio. “É uma parceria estratégica, porque ainda estamos desbravando um mercado pouco explorado”, disse o sócio da VBI, Rodrigo Abbud.

Como faltam dados sobre o funcionamento local desse mercado, o acordo só foi possível porque a Ânima abraçou a ideia e se dispôs a compartilhar dados sobre sua base de alunos.

O setor ainda tem poucos grupos organizados. Outro nome em crescimento é a Share, da incorporadora Mitre Realty em parceria com a Redstone Residential. A empresa tem três edifícios universitários, nos bairros da Consolação, Vila Mariana e Butantã – nas vizinhanças de Mackenzie, ESPM e USP, respectivamente.

Fonte: www.infomoney.com.br/mercados/anima-entra-no-setor-de-moradia-estudantil-e-planeja-investir-r-800-milhoes